SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: A PROTEÇÃO DA BALEIA FRANCA NO BRASIL E NA ARGENTINA

RESUMO: O presente ensaio tem como mister correlacionar a proteção ambiental da Baleia Franca no Brasil e na Argentina. Para tanto, visualiza-se o Estado Socioambiental de Direito e a proteção ao meio ambiente enquanto direito fundamental de solidariedade. À luz da fundamentalidade do meio ambiente, aborda-se a interação do homem com o "lugar de encontro" ao analisar-se, a partir de uma abordagem metodológica bibliográfica e documental, como que os fatores antropogênicos alteram e/ou perturbam o comportamento da Baleia Franca em águas brasileiras e argentinas.

 

Palavras-Chave: Meio Ambiente. Sustentabilidade. Baleia Franca. Brasil. Argentina.

Sumário: 1. Introdução. 2. A Proteção da Baleia Franca no Brasil e a Perturbação Antropogênica 3 O desenvolvimento sustentável e a tutela ambiental da Baleia Franca no Brasil 4. A Proteção Legislativa do Meio Ambiente na Argentina. 5. A Proteção da Baleia Franca na Argentina 5.1. O Turismo de Observação da Baleia Franca em Chubut 6. Conclusão 7. Referências Bibliográficas

Leia mais:SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: A PROTEÇÃO DA BALEIA FRANCA NO BRASIL E NA ARGENTINA

DIFERENCIAIS DO DIREITO COLETIVO DO TRABALHO

 

RESUMO: O presente ensaio visa a discutir a relação existente entre a natureza jurídica diferenciada do Direito do Trabalho no âmbito coletivo e a aplicação e/ou a criação de Direito objetivo, e não somente a concretização de direitos subjetivos, nos casos de julgamento de demandas envolvendo direitos coletivos trabalhistas, uma vez que as sentenças normativas produzem coisa julgada com eficácia erga omnes, pois os seus limites subjetivos estendem-se aos integrantes das categorias que figuraram como parte na demanda coletiva, independentemente de serem sócios (associados, filiados) do sindicato. Trata-se de uma importante alternativa de solução para a crise da generalidade e da abstração das leis e para uma maior efetividade do processo do trabalho, que deve avançar, considerando-se que mais importante do que assegurar o direito de ação é assegurar ao maior número possível, mesmo aos que não propuseram ação, o gozo de seus direitos, mediante aplicação do Direito objetivo.

PALAVRAS-CHAVES: Jurisdição – Direito Objetivo – Direito do Trabalho – Constitucionalização do Direito Processual do Trabalho – Efeitos Horizontais nos Direitos Transindividuais.

ABSTRACT: This essay discusses the relationship between the different legal nature of labor law and collective under implementation and/or the creation of law, order, and not only the realization of legal rights, especially in cases of prosecution of claims involving collective rights labor, since the guideline sentences res judicata effectively produce ultra shares because their subjective limits are extended to members of categories that figure as part of the class action, whether they are partners (associates, affiliates) of the union. This is an important alternative solution to the crisis of generality and abstraction laws and greater effectiveness of the work process, which should move, considering that more important than ensuring the right of action is to ensure greater as possible, even to those who have not proposed action, the enjoyment of their rights by law enforcement objective.

KEYWORDS: Jurisdiction – Labor Law – Constitutionalization of the Procedural Law of Labor – Horizontal Effects in Transindividual Rights.

SUMÁRIO: 1. Introdução – 2. Distinção de Planos do Direito do Trabalho (Material e Processual): Individual e Coletivo – 3. Direito Coletivo do Trabalho (Material e Processual) – 4. Direitos Transindividuais Trabalhistas, Jurisdição Trabalhista Coletiva e Direito Objetivo – 5. Considerações Finais – 6. Bibliografia.

Leia mais:DIFERENCIAIS DO DIREITO COLETIVO DO TRABALHO

A NATUREZA JURÍDICA DO DIREITO COLETIVO DO TRABALHO NO BRASIL LEGAL NATURE OF COLLECTIVE LABOUR LAW IN BRAZIL

 

RESUMO: O estudo da natureza jurídica do Direito do Trabalho é ao mesmo tempo complexo e muito relevante. Não por acaso é estudado no âmbito da teoria geral do Direito do Trabalho, pois está na base que sustenta e procura explicar as características que dão contornos próprios e autônomos para essa disciplina. O plano individual do Direito do Trabalho encontra-se melhor classificado como ramo do direito privado. Todavia, no plano coletivo, o Direito do Trabalho possui certas particularidades que levam a um entendimento distinto. O fato de o sistema jurídico brasileiro permitir que as próprias partes destinatárias possam criar normas jurídicas, diretamente ou por meio do Poder Judiciário, reflete uma "função legislativa autônoma" que confere ao Direito Coletivo do Trabalho uma natureza jurídica diferenciada que a aproxima do direito público.

ABSTRACT: The study of the legal nature of labor law is both complex and very relevant time. Not by chance is studied within the framework of the general theory of labor law, it is the base that supports and seeks to explain the characteristics that give themselves autonomous and contours for this discipline. Individual Plan of Employment Law is rated best-as a branch of private law. However, at the collective level, the Labour Law has certain peculiarities that lead to a different understanding. The fact that the Brazilian legal system allow their addressees parties to create legal rules, either directly or through the judiciary, reflects an "autonomous legislative function" which gives the Collective Labour Law a differentiated legal status that approximates the public.

PALAVRAS-CHAVE: Natureza jurídica. Direito Coletivo do Trabalho. Direito Privado. Direito Público. Eficácia das normas coletivas.

KEYWORDS: Legal nature. Collective right. Private Law. Public Law. Effectiveness of collective norms.

SUMÁRIO: 1. Introdução – 2. Origens da controvérsia – 3. Teorias sobre a natureza jurídica do Direito do Trabalho – 3.1. Direito privado ­­– 3.2. Direito público – 3.3. Direito social – 3.4. Direito misto – 3.5. Direito unitário – 4. Análise crítica dos posicionamentos estudados. Conclusão sobre a natureza jurídica do Direito Individual do Trabalho – 5. A natureza jurídica do direito coletivo do trabalho no Brasil – 6. Considerações finais – 7. Referências bibliográficas.

Leia mais:A NATUREZA JURÍDICA DO DIREITO COLETIVO DO TRABALHO NO BRASIL LEGAL NATURE OF COLLECTIVE LABOUR...

O CONSUMIDOR "HIPOSSUFICIENTE" E OS LITÍGIOS DE MASSA NO DIREITO BRASILEIRO Daniele Viafore[1]

RESUMO: Este trabalho tem por finalidade traçar considerações acerca da relação entre o consumidor hipossuficiente e os litígios de massa no Direito Brasileiro. A economia de escala e a velocidade das transações comerciais, através dos meios de comunicação modernos, produziram no Judiciário números elevados de lides individuais. Assim, procura-se investigar o conceito de hipossuficiência, qual o atual tratamento dispensado ao consumidor hipossuficiente e o papel do Estado neste contexto.

Palavras-chave: Consumidor hipossuficiente. Relações de consumo. Litigiosidade. Poder Judiciário.

ABSTRACT: This study aims to make considerations about the relationship between the disadvantaged consumer and the mass litigation in Brazilian Law. The economy of scale and the velocity of commercial transactions through modern ways of communication had produced an elevated number of individual actions in the judiciary. Thus, this study has the finality of investigate the concept of disadvantaged, which is the current treatment of disadvantaged consumer and the role of the state in this context.

Key-words: Disadvantaged consumer. Consumer relationship. Litigation. Judiciary.

SUMÁRIO: INTRODUÇÃO. 1. As novas necessidades da sociedade e o aumento dos litígios. 2. As relações de consumo, a hipossuficiência e a vulnerabilidade na sociedade contemporânea. 3. O papel do Estado face às novas necessidades da sociedade. CONSIDERAÇÕES FINAIS. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.

Leia mais:O CONSUMIDOR "HIPOSSUFICIENTE" E OS LITÍGIOS DE MASSA NO DIREITO BRASILEIRO Daniele Viafore[1]

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO DO TRABALHO

RESUMO

O presente trabalho traz uma abordagem histórica do surgimento do Direito do Trabalho. O início da pesquisa se dá no período da Antiguidade em que tínhamos a escravidão como mão de obra, depois passa-se para uma breve análise do período Feudal, onde o trabalho era realizado pelo servo. Em um terceiro momento analisam-se as corporações, que são os artesões que começam a se reunir e vender ou trocar suas mercadorias. Após, tem-se um marco histórico que é a Revolução Industrial e o surgimento do trabalho assalariado e avanços tecnológicos que desencadeiam no surgimento dos Direitos dos Trabalhadores.

PALAVRAS CHAVE: 1. Trabalho, 2. Mão de obra, 3. Trabalhadores, 4. Evolução histórica, 5. Direito do Trabalho.

Leia mais:EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO DO TRABALHO

Mais artigos...

  1. DIREITOS INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS TRABALHISTAS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTABELECIMENTO DE CRITÉRIOS DE CARACTERIZAÇÃO
  2. DANO MORAL POR RICOCHETE NO ÂMBITO DA JUSTIÇA DO TRABALHO: a responsabilidade do empregador à luz do instituto da responsabilidade civil
  3. Paradoxo da Corte Limites dos poderes judiciais na recuperação judicial e a posição do STJ
  4. STJ divulga teses sobre penhora de bem de família e mudança de nome civil
  5. Familiares serão indenizados por selfie de funcionário de funerária junto a corpo
  6. MEDIAÇÃO FAMILIAR: a (des)necessidade da intervenção do Poder Judiciário
  7. A supremocracia e o desamor pela Constituição Federal
  8. Mantida condenação de empresa que duvidou de gravidez de empregada
  9. Execução contra devedor falecido antes da ação pode ser emendada para inclusão do espólio
  10. Tutela provisória e contraditório: uma evidente inconstitucionalidade
  11. TEORIA DA ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA DE CHAÏM PERELMAN
  12. Associação questiona impedimento de membros do Ministério Público em atividades político-partidárias
  13. A jurisdição sociológica na visão de Mauro Cappelletti - A jurisdição sociológica na visão de Mauro Cappelletti The jurisdiction sociological vision of Mauro Cappelletti
  14. Plano de saúde não pode recusar tratamento com base em uso off label de medicamento
  15. Banco não terá de pagar a operador de caixa intervalo garantido a digitador

Página 10 de 93

ISSN 1981-1578

Editores: 

José Maria Tesheiner

(Prof. Dir. Proc. Civil PUC-RS Aposentado)

Mariângela Guerreiro Milhoranza da Rocha

Prof. da graduação em direito da IMED

back to top