A “Causa Madura” no CPC e os parâmetros para a sua (in)validade

As bases hodiernas para o Processo Civil brasileiro foram dispostas pela Lei n.13.105/2015 (Código de Processo Civil), querendo inaugurar um ambiente ao qual, verdadeiramente, se possa ter e bem por isso, levar em conta as luzes interpretativas a partir da Carta Constitucional, sobretudo, ao prever a digitada lex em seu art. 1º que o processo civil pátrio será ordenado, disciplinado e interpretado conforme os valores e as normas fundamentais estabelecidos na Constituição da República Federativa do Brasil.

É fato que em várias passagens do Código de Processo Civil, o legislador optou por padrões que levam em consideração a instrumentalidade em conjunto com a economia processual, tudo com o fito de se obter o êxito em um abrandamento da demanda, a título de justificar uma "correta" duração razoável processo.

Leia mais:A “Causa Madura” no CPC e os parâmetros para a sua (in)validade

A autonomia universitária na CF 88: em momento de emergência, soluções constitucionais.[1]

 

No dia 10 de junho de 2020, foi publicada a medida provisória n. 979 (MP 979), que dispõe sobre a designação de dirigentes pro tempore para as instituições federais de ensino durante o período da pandemia da covid-19, bem como determina que não haverá processo de consulta à comunidade, escolar ou acadêmica, ou formação de lista tríplice para a escolha de dirigentes das instituições federais de ensino durante o período da emergência de saúde pública, de importância internacional decorrente da pandemia da covid-19.

Em uma primeira leitura, parece que se está diante da máxima "para situações emergenciais, medidas emergenciais". Entretanto, o que está em jogo na medida provisória não é a proteção da Universidade, mas uma desculpa circunstancial para levar adiante uma agenda previamente orquestrada, de violação da gestão democrática e autonomia universitária previstas nos artigos 206 e 207 da Constituição Federal, como pauta política do governo de ocasião[2].

Leia mais:A autonomia universitária na CF 88: em momento de emergência, soluções constitucionais.[1]

Live Direito IMED sobre violência doméstica em tempos de pandemia

03e21ced-297b-4b97-8e9d-251039c7936f

Para participar da webnar, basta acessar o seguinte link:

Este é o link:
https://zoom.us/webinar/register/WN_LZQbDz01TkulnSy3qbMN1w

Evento gratuito e aberto ao público

PROPAGANDA ELEITORAL DIGITAL: UMA REVOLUÇÃO AMBIENTAL

RESUMO: O presente artigo visa a detalhar a importância adquirida pela propaganda eleitoral digital, com a progressiva migração dos atos de campanha para a internet, associando este fato com uma importante, mas pouco versada, consequência: a preservação do meio ambiente. Além disso, apura-se o papel fundamental da rede mundial de computadores para o acesso dos candidatos ao eleitorado e dos eleitores às propostas políticas em tempos de pandemia do novo coronavírus (COVID-19). A investigação fundamentou-se em doutrina especializada das searas constitucional, eleitoral e ambiental para verificar que, apesar de ainda resultar dos processos eleitorais (em sentido amplo) a degradação ambiental, há uma forte e inexorável tendência de mudança desta realidade, com a assunção da internet como via exclusiva para o desenvolvimento futuro do marketing político-eleitoral. Conclui-se que, quando esta hipótese for tornada realidade, estará inteiramente completada a revolução ambiental em curso, em que haverá 100% de informação com 0% de poluição.


Leia mais:PROPAGANDA ELEITORAL DIGITAL: UMA REVOLUÇÃO AMBIENTAL

A Pandemia do Coronavírus, como Consequência Antropogênica de Degradação Ambiental, e a Efetividade da Jurisdição e do Acesso à Justiça no que tange ao Direito à Saúde

Introdução

A diversidade cultural[3] produzida pelos grupos sociais, ao longo da evolução e da organização da vida social e política, revela as relações da sociedade com o meio ambiente. É a partir de um prisma sociológico (partindo de um sistema de conclusões sociológicas[4]) que emerge a base para o entendimento da sociedade atual, de sua cultura e, em especial, de sua interação com a natureza à luz do direito. O homem é um produto biosociocultural[5] resultado das interações e das relações[6] dentro de um grande contexto: nada pode ser considerado em si mesmo[7] tudo está interligado. [8]

Leia mais:A Pandemia do Coronavírus, como Consequência Antropogênica de Degradação Ambiental, e a...

Mais artigos...

  1. Meio Ambiente, Trabalho e Previdência em Tempos de Pandemia
  2. MP 881: a livre organização empresarial ainda não está assegurada
  3. Obra de Délton Winter de Carvalho sobre Desastres Ambientais
  4. Atos de agentes públicos durante a pandemia devem observar critérios técnicos e científicos
  5. Sorteio de livro no Instagram
  6. O Direito Ambiental no limiar de um novo paradigma jurídico ecocêntrico no Antropoceno
  7. Direito Processual dos Desastres
  8. LL.M - Latin Legum Magister (LL.M) ou Master of Laws
  9. A atuação do amicus curiae como fator de legitimação democrática na formação de precedentes judiciai
  10. É HOJE!!! Participe da Live com Ingo Wolfgang Sarlet e Pedro Lenza!!!
  11. A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO MODALIDADE SUSTENTÁVEL DO DIREITO À EDUCAÇÃO EM TEMPOS DE PANDEMIA: O CORONAVÍRUS (COVID-19) COMO ACIONADOR DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS
  12. A audiência de mediação e conciliação (Art. 334 do CPC/15) como meio de resolução consensual de conflitos
  13. SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL VERSUS OBSOLESCÊNCIA PLANEJADA: A SOCIEDADE HODIERNA COMO PRODUTO DO HIPERCONSUMISMO
  14. Efeitos da Pandemia da COVID-19 no funcionamento do Poder Judiciário e a realização de atos judiciais: oportunidade para o progresso e a necessária preservação de garantias processuais constitucionais
  15. LIVE: Consequências Jurídicas da Covid-19

Página 2 de 104

ISSN 1981-1578

Editores: 

José Maria Tesheiner

(Prof. Dir. Proc. Civil PUC-RS Aposentado)

Mariângela Guerreiro Milhoranza da Rocha

Prof. da graduação em direito da IMED

back to top